fol





Be of GREAT HEART our dear friends.

SO VERY MUCH HAS CHANGED …

SO VERY MUCH IS CHANGING …

SO VERY MUCH WILL CHANGE …

For it is written in the stars.

Are you not ALL ‘Children of the stars’? Did you not KNOW what you had decided and then came to Earth to put it into place?

The Federation o Light -- 16th August, 2014


to gain space


Labels

Friday, December 6, 2013

CLIFFORD STONE ENTREVISTADO por PAOLA HARRIS

Homenageando  Aileen Garoutte

Este Blog foi criado para informar o público sobre o assunto UFO/OVNI. Criado por Aileen Garoutte, que foi Directora do The UFO Contact Center International.



Logo Exopolitics Portugal



CLIFFORD STONE ENTREVISTADO por PAOLA HARRIS



USADO COM PERMISSÃO DE MICHAEL SALLA.

Clifford Stone, que foi, em tempos, Director Associado, da minha organização. Conheço-o e acredito nele. Sei o que lhe aconteceu devido à sua pesquisa sobre UFOs/OVNIs.

___________________

Olá a todos,


Eis duas entrevistas com Clifford Stone, realizadas por  Paola Harris. Estive a fazer alguma pesquisa sobre Sgt Stone e encontrei o seu testemunho sobre ter trabalhado com um grupo de elite, sobre a recuperação imposta de UFOs acidentados. Paola fez o trabalho de campo e crê que ele é verdadeiro. O que achei interessante nas entrevistas, foram os detalhes de como foi aconselhado pelos que estavam no governo secreto, encarregados de controlar as suas actividades públicas por ter participado na Conferência, elaborado por Steven Greer, no National Press Club, em Maio de 2001.

Eles disseram-lhe: “Vai e diverte-te”, e apenas aconselharam a não revelar os segredos das áreas onde havia um acordo que ele não podia mencionar. Isto é uma demonstração cabal que há um programa em curso  de ajustamento, onde os denunciantes como Clifford Stone, Phillip Corso, Michael Wolf e Charles Hall, tem permissão de avançar e desvendar segredos. Ao mesmo tempo, esses denunciantes seriam desacreditados e alguns aspectos dos seus testemunhos, não seriam confirmados.

As entrevistas a seguir valem bem a pena ser lidas para compreender como um participante no programa de recuperação de destroços foi introduzido e usado cerca de vinte anos, devido à sua capacidade psíquica de comunicar com os Extraterrestres-Se quiser informar-se mais sobre as entrevistas de Paola Harris com Clifford Stone e outros denunciantes, recomendo que visite a sua página web emhttp://www.paolaharris.it/english.html
Em Paz,

Michael Salla, PhDwww.exopolitics.org

*******************
http://www.swa-home.de/clifford.htm
Segurança Nacional por Paola Harris





Esta entrevista aconteceu em 2 de Julho de 1998, em casa de Clifford Stone em Roswell, New Mexico.

Paola Harris: Sargento Stone, quais são os seus conhecimentos e que acontecimentos conduziram ao nascimento do seu livro. " UFOs Are Real? = Os OVNIS são Reais"?

Clifford Stone: Quando tinha sete anos, tive o meu primeiro encontro com um UFO/OVNI, seguido de interacções com entidades extraterrestres. Servi no exército durante cerca de 21 anos. Ao princípio, estava relutante, depois receoso, depois decepcionado com a maneira como o Governo lidava com o assunto. Quando decidi falar abertamente sobre UFOs/OVNIs, ainda estava no serviço activo, e o Exército apenas disse para fazer apenas afirmações consistentes/concretas. No entanto, quando fui encarregado de outro destacamento, foram-me dadas ordens, categoricamente, para não falar de UFOs, para não escrever ou fazer pedidos ao Congresso, sem autorização ou aprovação. Considerei esta situação insustentável, uma vez que estava envolvido no programa, sem o conhecimento do meu comandante. Em vez de ser  exonerado, fui enviado para a Alemanha, depois para a Bélgica, e por toda a Europa, e achei-me novamente envolvido na situação UFO, embora contra a minha vontade. Tomei conhecimento de um incidente na URSS: os Soviéticos tentaram derrubar uma grande nave não identificada e  perderam misteriosamente, três aviões. Então decidi agir às claras, não obstante os meus superiores, que não estavam cientes das minhas intenções e das minhas ligações com várias agências ligadas aos UFOs. Pedi para ser exonerado, informei as estruturas que não estavam ligadas ao Exército sobre isto mesmo e deixei a Alemanha.

Paola Harris: Em que ano é que isso aconteceu?

Stone: Em 1989. Regressei a casa aparentemente sob uma licença habitual. Só um colega, um intérprete Russo, sabia do meu envolvimento no programa UFO. O meu pedido de exoneração foi rejeitado, dois dias antes de chegar a Fort Bliss e enviaram-me, por um período de dois meses, para outro lugar. Convenceram-me a ficar e disseram-me que não regressaria à Europa, mas que ficaria em Fort Belvoir. Estava disposto a partir porque não queria  ter, novamente, as mesmas experiências, experiências que não podiam ser discutidas, até ao ponto da minha família não saber nada sobre elas, mas estavam habituados às minhas ausências súbitas e prolongadas e a certos visitantes estranhos ... Seriam agentes do governo?


Sim, mas não sabiam quem eram. Eis um exemplo: desde 1969 até há dois meses, estive em contacto próximo com alguém que permaneceu anónimo e que me chamava “Coronel”, que era um agente responsável pela minha protecção.

Harris: ‘UFOs Are Real’ contem documentos secretos. Qual foi o impacto que o livro teve na opinião pública?

Stone: Contém uma vasta porção de documentos do Governo Americano, altamente secretos. O Governo nega tudo e nem mesmo admite que existem documentos ’top secret = altamente secretos’ sobre o assunto, mas mantém-nos bem escondidos! O meu centro de interesse nas Operações Moon Dust = Poeira da Lua e Moon Fly = Mosca da Lua, ainda estão ligados aos UFOs. A Força Aérea dos EUA, tem uma instalação em Fort Belvoir, na Virginia, como o Grupo 696 dos Serviços Secretos da Força Aérea, e é responsável pela compilação de dados e de material sobre os UFOs. Foram dados pseudónimos aos nomes e aos programas. Eu estava no serviço de contra espionagem, quando começou o programa que compreendia o Projecto Moon e Operação Mosca Azul (Operation Blue Fly). Ambas estas missões eram geridas pelo Departamento do Estado. Bem, isso é meia verdade. Realmente são os Serviços Secretos da Defesa, que controlam ambos esses projectos, usando adidos militares, em cada consulado e embaixada em todo o mundo, que envia dados sobre UFOs, enquanto os nossos militares estavam e estão prontos para entrar em acção, algures, para obter qualquer documento e fazê-lo desaparecer.


Tal como os documentos sobre UFOs recuperados, que os EUA têm sempre escondido, na base de certos acordos.

Tenho a certeza absoluta que a maioria dos principais governos e Agências de Serviços Secretos, sabem a verdade sobre os UFOs. Não me entenda mal: não sabemos quanto foi divulgado.

Harris: O que não disse nos ‘UFOs Are Real’ ?


Stone: Não falei muito sobre os projectos Moon Dust e Blue Fly. Consegui certos documentos, mas quando tentei encontrar certas informações, não consegui em parte nenhuma. Disseram-me que nesse momento, provavelmente, era material considerado secreto e que não podia ser divulgado. Então fui ter com alguns membros do Congresso, que chegaram – através dos canais políticos – à existência de unidades a funcionar com esses nomes e à função de Fort Belvoir. Fui outra vez ao encontro dos mesmos Congressistas e mostrei-lhes 23 documentos que confirmavam essas missões bem como a base operacional de Fort Belvoir. A Força Aérea interveio, afirmando, ao princípio, que eram missões de guerra, e tentando depois fazer com que Moon Dust e Blue Fly fossem projectos pacíficos.


Nos três capítulos consagrados a Moon Dust e Blue Fly, não inclui as cartas que têm os nomes dos membros do Congresso, pois os documentos relativos a esse assunto foram destruídos. Isso é pura desinformação da parte do Ministério da Defesa. O procurador Geral sabia do encobrimento mas não prosseguiu com um inquérito.

Harris: Porque não?

Stone: Por duas razões. Primeiramente, se afirmarmos que a vida noutros lugares é possível, então temos de alcançar um nível tecnológico que pode ser aplicado e integrado na cultura, em caso de hostilidades. Em segundo lugar, sentimos necessidade de compreender os nossos visitantes, tanto quanto possível e isso constitui um problema sério. O Exército disse-me, repetidas vezes, para não esperar ou antecipar todos os encontros com as designadas “entidades” – os EBEs, mas chama-lhes entidades, porque não sabem donde vêem – para ser específico. Mais tarde, disseram-nos que podiam ser hostis. De vez em quando, atiramos sobre eles, e respondem com armas. Vou contar-lhe um episódio que aconteceu no Brasil: dois contingentes militares abriram fogo, do solo, sobre dois UFOs, que responderam, causando a perda de 60% do material e 80% de perda dos militares. Então seriamos capazes de aguentar uma acção hostil? Não, de maneira nenhuma. Uma série de pessoas acreditam que um cenário como o do Independence Day seria possível. Mas na realidade, uma invasão de forças hostis do Espaço ou de outros poderes, estava a caminho, e não estou a falar de uma raça, mas de 57 raças diferentes.

Harris: 57 raças diferentes?
 
Stone: Sim, identificamos 57.

Harris: Está documentado?
 
Stone: Sim, está, mas em documentos que nunca serão publicados, a menos que tratem de forçar a abertura dos arquivos. Saber como sabemos de tudo isto? Há apenas uma única maneira: usando as designadas “interacções” ou “trocas de contactos”. A todos os que trabalharam nesse campo e revelaram que sabiam destes segredos, foi-lhes dito: “Você tem uma missão especial a levar a cabo.” De qualquer maneira, se lhe contar tudo o que fiz, achará difícil de acreditar. Amava o meu país, acreditava no Exército e em cumprir o meu dever no Vietnam, mesmo se custasse a minha vida. Foi o destino. Por isso, mesmo que tenha sido declarado inapto para o serviço, cheguei ao Vietnam e percebi que as pessoas erradas estavam a dar ordens. A minha tarefa era reunir as crianças e ajudá-las. No final salvamos 1.700.


Harris: Por falar em crianças, sabe de pessoas especialmente dotadas que são usadas pelas agências governamentais como interpretes ou contactos com extraterrestres?


Stone: É um assunto que preocupa muito. Uma vez estive num lado da mesa e havia seres não humanos no outro lado. Ninguém, naquela sala, sabia o que estava a acontecer, mas eu sabia.

Harris: Já falou alguma vez sobre isso?

Stone: Não. Disse ao meu filho que hei-de levar tudo isso para a cova. Mas foi ele que morreu, e ainda tenho muitas dúvidas sobre a sua morte.

Harris: O Dr. Michael Wolf sofreu o mesmo destino cruel com a esposa e com o filho. Conheceu o Dr. Wolf?

Stone: Nunca ouvi falar nele. Estamos a tentar fazer o que os outros no Espaço, já fizeram.

Harris: Então, depois do seu avistamento em criança, o Governo controlou a sua interqacção com os extraterrestres, usando-o, podemos dizer, como interlocutor com outras raças, a fim de recolher informações?

Stone: Exactamente. Foi o Governo que queria extorquir essa informação de nós.
Quero dizer, você, você em particular.
Há muita coisa que nunca contei.

Harris: Então, se o seu trabalho era ser um intermediário ... acredita que seremos contactados no futuro?

Stone: Já fomos contactados.

Harris: Mas num futuro próximo?

Stone: Absolutamente. Dentro de 25 anos. Estamos a progredir para um Espaço militarizado, que irá conduzir à abertura de novas fronteiras na Pesquisa e no Desenvolvimento. Tornar-nos-emos viajantes do Espaço, iremos até outros sistemas solares. A tecnologia actual não nos permite desenhar/planear as nossas descobertas em conjunto, e coloca A, B e C juntos para obter B. Se o Espaço se tornar militarizado, será uma ameaça para os nossos visitantes. É fácil ver porquê. Necessitamos usar tecnologia responsável para o melhoramento da nossa raça, e se realmente existirem lá em cima, outras espécies inteligentes, temos obrigações para com eles. Nós, na qualidade de raça, ainda não estamos amadurecidos e não somos suficientemente espirituais para fazê-lo. Você acredita em Deus? Sim!  E eles também acreditam em Deus. Mas, provavelmente a nossa definição da divindade está em conflito com a deles, o que não quer dizer que tenhamos outro ponto de vista. Eles aniquilariam muitas raças, para melhor definir o conceito de Deus e, ao mesmo tempo, deixar-se-iam morrer antes de tirar a vida aos outros. Mas também estão preparados para defender-se. Penso que continuarão a controlar-nos. Eu penso que eles vão continuar a acompanhar-nos até que não sejamos uma ameaça, dentro dos próximos 30 anos. Isto (mostrando-me uma página do seu livro) é um documento obtido no memorando dos Serviços Secretos que foi enviado para o FBI. Devia ter sido destruído. Disse ao FBI que a Força Aérea tinha autorizado a sua libertação. Não sabiam que a Força Aérea não queria que a informação fosse divulgada. E resultou.

Harris: O seu livro chegou a público em Julho de 1997, e agora, eles devem saber que você tem esses documentos, não acha?

Stone: Tanto quanto diz respeito à Força Aérea e ao Pentágono, pensam que não existe. Mas demonstrei que o oposto é verdade.

Harris: Pode dizer-nos o número do seu grupo de trabalho?
 
Stone: Era 4607.

Harris: Era uma equipa de recuperação da Força Aérea?

Stone: Sim, está sediada em Fort Belvoir. Treinam e cuidam das pessoas que ... detesto a frase “fenómenos psíquicos”, que têm tido experiências em comunicar. Dizem-lhe: “Vais ser um comunicador”, e é lógico que a sua reacção possa ser muito emotiva.

Harris: Vamos falar das recuperações. Parece que os Extraterrestres não se preocupam em salvar os seus companheiros deixados na Terra, depois de um acidente. Que pensa da Área 51?

Stone: Quer a verdade? A Área 51 é um expediente. No entanto, há uma ligação. Ainda usamos a base Edwards, na Califórnia, que pertence à Força Aérea. No entanto, quero tornar claro que não estou a dizer que nada, associado com o fenómeno UFO, aconteça nessa base.

Harris: E o que pensa dos cadáverss dos extraterrestres guardados em contentores?

Stone: Isso é ficção científica. Temos um “indicador”, um identificador que aje como comunicador com o falsificador. Então, o falsificador fornece informação específica, pequenos fragmentos da verdade, mensagens que podem parecer muito positivas. Depois de tratar de influenciar, o falsificador irá desaparecer, e o identificador irá levar a cabo a tarefa que lhe foi designada. Se quisermos que a comunidade ufológica acredite em certas coisas, ela tem de saber o que fazemos. Primeiro de tudo, damos ao falsificador a tarefa de identificar o que definimos como ”O Objectivo dos Serviços Secretos”, sendo o objectivo, um indivíduo que irá circular – este é o indicador – e começar a espalhar... é surpreendente ver como é fácil ... Espalhar a verdade parcial ... Chamamos a isto, desinformação.

Harris: Se o acidente de Roswell foi encoberto, significa que durante a Segunda Grande Guerra Mundial aconteceu algo semelhante? Porque é que está a sorrir?

Stone: Ás 12.15, na noite de 25 de Fevereiro de 1942, uma formação de 12ª 15 naves não identificadas foi vista nos céus de Los Angeles, na Califórnia. Não eram nossas, nem da Marinha, nem dos Fuzileiros Navais.


Não tendo estabelecido a identidade, nem contacto pela rádio, decidiram atacar com medo que fossem inimigos desconhecidos. A artilharia costeira lançou 1430 tiros sobre os alvos. Não houve reacção, nem bombas, nenhuma nave caiu, não houve dano de propriedade, nem vítimas e as naves desapareceram. No dia seguinte, o General Marshall relatou o incidente ao Presidente dos Estados Unidos, Franklyn Delano Roosevelt. Em 1943, no Pacífico, o General Douglas MacArthur pediu ao General Doolittle, notícias sobre um objecto não habitual que enfrentou os nossos caças e bombardeiros. No final de 1943, Doolittle informou MacArthur que alguns “espectadores” tinham seguido a acção militar principal. Não eram terrestres e talvez fossem hostis.


Harris: "Espectadores" – foi isso que lhes chamaram?

Stone: Foi como Doolittle e MacArthur descreveram. Não sabemos muito sobre isso. Tudo o que sei é que alguma coisa aconteceu na China, que convenceu Doolittle, sem qualquer dúvida, baseado nos acontecimentos que conduziram à recuperação de uma nave.

Harris: Quem era Doolittle?

Stone: Foi um piloto muito famoso e muito activo da Força Aérea. Conduziu o “Raid Doolittle” usando bombardeiros B25 (James Harold Doolittle, comandou o primeiro raid aéreo sobre Tóquio em 18 de Abril de 1942 – Ed.)

Harris: Certos aspectos do seu relato coincidem com o que o Dr. Michael Wolf disse. Vamos tornar ao assunto das crianças. Acho incrível que o Governo utilize algumas que são particularmente sensíveis e que as coloque ao seu serviço.
 
Stone: Pense um pouco, fui declarado inapto para o serviço ... e, ainda no final do meu serviço, recebi outro tipo de treino, o denominado “AM” ou “Treino Individual Avançado” e enviaram-me para o arquivo do Post Intelligence Center = Correio dos Serviços Secretos, onde encontrei um tipo, visivelmente num serviço especial do Pentágono, em Washington DC. Fiquei calado e foi ele que me falou dos UFOs. “Não te preocupes, estará tudo OK. O que pensas disto?”, disse, mostrando-me um documento. Respondi: “É algo que não devo conhecer” e ele disse: “queria a tua opinião sobre isto.”  Alguns dias mais tarde disse-lhe que estava preocupado, por que tinha visto um documento altamente secreto. Ele respondeu que não me tinha mostrado nada ...

Harris: ... como pode?
 
Stone: Perguntei-lhe a mesma coisa e ele respondeu: “Irás perceber na altura própria”. Na minha folha de serviço diz que estive alistado na Força Aérea, durante 3 anos, quando o tempo de serviço foi quatro anos. No final fui designado para o NBC, Chemical, Biological, Nuclear Warfare = Guerra Nuclear, Biológica e Química, para o sector das comunicações.

Harris: Interrogaram-no alguma vez sobre as suas experiências de contacto? 

Stone: Creio que sabiam disso.


Harris: Nesse caso, podiam ter sabido por duas fontes:pela sua família ou pelas próprias entidades extraterrestres que decidiam quais os humanos que iam trabalhar com eles.


Stone: É provável. Durante o treino, você entra numa fase de “doutrinação”, onde se encontra, cara a cara com uma montanha de informação que lhe faz saltar a mente, de tal maneira, que uma vez as minhas pernas cederam e quase desmaiei, devido a uma dor de cabeça extremamente forte.

Harris: Se é verdade que certas pessoas são usadas como comunicadores, eles têm conhecimento disso ou não?
 

Stone: O Coronel Corso sabia. Corso nunca implicou o Governo, directamente, mas cinco ou seis departamentos. Ninguém sabe os seus respectivos modus operandi. Se isto acontece nos Estados Unidos, é possível que façam o mesmo noutros países...


Sim. A situação é tal, que somos forçados a revelar a informação a cada país interessado. Não há duvida sobre isso. Nos EUA, um pequeno grupo de pessoas trata desse assunto, não são oficialmente designados. Você não pode acreditar no Governo: o poder é apenas aparente, nas mãos da Casa Branca ou do Congresso. É um grupo escolhido. Para eles, é sempre e apenas uma questão de segurança nacional. Estão interessados na aplicação militar, como diz Corso – na nova tecnologia. Tudo o resto é secundário.


Harris: Por outras palavras, o Governo recebe tudo o que pode sair deste contacto. Entretanto, ninguém se preocupa com o desenvolvimento interior ou com o lado espiritual da presença dos UFOs/OVNIs.

Stone: Absolutamente, nem sequer pensam nisso. Mas, na realidade, deve dar-se ao aspecto espiritual do fenómeno UFO, a máxima consideração.

********
Entrevista de Clifford Stone, em Maio de 2001.
Contactei Clifford Stone, em Roswell, no New Mexico, depois do seu aparecimento no Washington Press Club, na  CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DO PROJECTO DIVULGAÇÃO, liderada pelo Dr. Steven Greer.

Harris: Olá Clifford?

Stone: Como vai, minha filha?

Harris: Como é que vai, depois da Conferência da Divulgação, em Washington, no dia 9?

Stone: Ainda estou lá. Falei na conferência e falei pouco, mas algo demorou um pouco mais. Eu disse: “Sou eu. Isto é o que fiz, jurei perante Deus, perante o meu país e perante o Congresso  falar do que sei ser verdade.”

Harris: Foi preciso muita coragem! Estou a ver na Internet e a conferência é mencionada e você é uma das testemunhas principais, na qualidade de membro da equipa de recuperação do Projecto Moon Dust, que está mencionado em toda a parte. Não sei se sabe que fiz parte do projecto, em Itália. Ajudei o Dr. Greer a filmar alguns pilotos e testemunhas militares.

Stone: Houve muita investigação feita sobre mim. Fui-me abaixo várias vezes. Não pude evitar. Quando você regressa ao passado e começa a contar, já não está em 2001. De repente vê tudo nos olhos da mente. Mas há algumas coisas que eles não querem que você fale, mas isso fazia parte do material em que eu estava envolvido. Pensei – preciso que as pessoas saibam deste assunto – por isso, fui em frente. É dificil eliminar algumas coisas que fazem parte da totalidade da história. Bom, não havia um olho enxuto enquanto falei. Dei uma entrevista a Jaime Maussan e eles falaram comigo no programa da DATELINE TV. Falei-lhes no impacto que isso teve na minha família  e amigos.

Harris: Oh! Li em Itália, que 250.000 pessoas sintonizaram o audio nos seus computadores. E por vezes havia alguma interferência. Mas, de qualquer modo, foi a maior audiência que o Press Club teve. Estamos a tentar traduzir em Italiano,  essa gravação para os nossos ouvintes. Quando vi que você estava na lista, fiquei realmente surpeendida. Você foi ameaçado tantas vezes. A última vez que ouvi falar de si, foi quando estava a tentar ir para o Canadá, mas ouvi que tinha sido impedido na fronteira, mas quero que você esteja a salvo!

Stone: Eu não queria ir. Mas eles insistiram, então eles (os que são o verdadeiro poder) disseram: “vai... e diverte-te!” Pensei “isto é bom”. Mas querem que evite abordar certos assuntos. Como é que posso falar sobre isto sem abordar todos os factos? Por isso, enquanto falava nessa noite, pensei “sem limitações nem controlo!” Esperava que o Dr. Greer não ficasse bravo, se eu ficasse muito emocionado, mas até ele chorou, quando me levantei. Ninguém invejava o que eu tinha para dizer. Como sempre disse: “Se não tivesse vivido isso, seria difícil de acreditar.”

Harris: Como não ouvi o testemunho pessoal durante cinco minutos, o que é que você disse? Apenas que estava encarregado do PROJECT MOON DUST? Foi isso que disse?
 
Stone: Falei da minha primeira recuperação e da situação em que ajudamos um deles a fugir.

Harris: Oh, não sabia disso. Está escrito em qualquer parte?

Stone: Penso que não está escrito em lado nenhum, mas espero que eles divulguem.

Harris: Quando disse que tinha ajudado um a fugir, estava a dizer que tinha ajudado um ET a fugir? Foi há muito tempo?

Stone: Foi em 1969.

Harris: Então isso fazia parte da operação  Project Moon Dust?


Stone: Fazia parte do que eu estava a fazer. Sim, mas, agora, não posso alongar-me mais sobre isto.


Harris: Não. Também não quero, mas não sabia nada disso...

Stone: Estou a tentar dizer mais, mas é como quando mencionei isso, fico física e emocionalmente stressado. Disse ao Dr. Greer, “Tenho de partir, não posso ficar aqui. Tenho de sair!”

Harris: Ele compreendeu.
 
Stone: Ele compreende.

Harris: A comunicação social referiu que o Dr. Greer pediu pessoas mais velhas. Disseram ”pessoas de cabelos grisalhos”. A maioria eram pessoas de idade?

Stone: Sim, a maioria. Tu vais compreender. Não havia muita  gente jovem. Larry Warren estava lá. Tem 40 anos. Eu tenho 52.

Harris: Não conheço os outros. Ouvi dizer que o Filer do Mufon esteve presente. É o George Filer?

Stone: Um dos Coroneis que estava lá disse: “ Nunca fizemos nada disto.” Eu disse: “bem, posso demonstrar-lhe ao escrever que estive aí”. Finalmente decidimos sobre o que eles tinham feito e o que eu tinha feito, quando estava ‘dentro’, que foram duas coisas diferentes. Bem, vou contar-lhe im pequeno segredo, quando falei sobre as minhas experiências de como comunicavamos... Foram apenas cinco ou dez minutos. Pensei -  ‘Vou tentar fazer isto muito rápido … Não quero ficar esgotado.’ Bem, fiquei mesmo esgotado.

Harris: Bem, você ainda está muito emocionado com isso. Está a chegar devagar e alguém quer que isso chegue devagar, certo Clifford?

Stone: Bem, penso que há pessoas que querem que isto chegue, mas não sei como fazê-lo. Eu disse sempre: “Não castiguem os que guardaram o segredo”. Houve um debate sobre energia livre Positiva. Temos essa tecnologia que devia estar à disposição de todos os povos da Terra. Foquem-se na caridade para todos. Procurem a verdade para podermos ir para a frente e fazer estas coisas que são correctas, para o futuro. Seremos capazes de construir um futuro mais amoroso e carinhoso e o mundo pode unir-se, representando o planeta TERRA, e não estar dividido a representar várias teocracias deste planeta. 


postado por Aileen @ 9:23 AM

No comments:

Post a Comment

p

Terra Galactica

crop circle

ET First Contact

the way we live

Could you imagine

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

rd


info@exopoliticsportugal.com

xmas



“Glory to God in the highest, and on Earth peace, good will toward men.”

This Christmas, Give Peace



I Decree


FOR SPIRITUAL ENLIGHMENT

PLEASE VISIT THIS SITE






esoteeric II



SUBTITLES IN ENGLISH, ESPAÑOL, PORTUGUÊS

Click upon the circle after the small square for captions

pleiades

THIAOOUBA PROPHECY - 14,15,16,17,18

P. Camelot - PORTUGUESE

terra galactica uk

TSUNAMI OF LOVE

Please click the icon YouTube and then the small square at the bottom right side to get the captions CC, and choose subtitles in UKRAINIAN

埋め込み画像 1埋め込み画像 2

Popular Posts

Be divergent

CONTACT

ashtar

arabic song












SO ... ONCE AGAIN I REITERATE ...

WE ARE ASKING YOU FOR YOUR ASSISTANCE ... WE ARE PUTTING OUT AN S.O.S. ... IN LOVE ...

TO OUR STAR BROTHERS AND SISTERS ... OUR FAMILY ... WE ASK FROM OUR HEARTS ... FROM THE CORE OF WHO WE ARE ... THAT YOU UNDERSTAND OUR SITUATION AND 'MAKE PLANS' TO ADHERE TO OUR CALL.

Blossom, 02:01:2014




richard dolan song

SEND SNOWDEN HOME

Send Snowden home

750,000
744,540

The world's greatest whistleblower is stuck in the Russian winter, facing solitary confinement, ridicule, and life in prison if US agents grab him. But this week, we could help get him to safety.

Edward Snowden exposed the mind-boggling and illegal level of surveillance the US government is conducting on, well, all of us. His welcome in Russia runs out soon, and he's got nowhere to go. But Brazilian President Dilma is angry at US surveillance and experts say she might brave massive US pressure to consider asylum for Snowden!

This is about much more than one man. If Snowden's act of truth-telling leads to crippling punishment, it sends the wrong signal to abusive governments and whistleblowers everywhere. If 1 million of us take action now, we can send President Dilma the largest citizen-supported asylum bid in history -- sign to safeguard Snowden and defend democracy everywhere.

SIGN HERE


KIEV



Revolution in Kiev, Ukraine

In the last days I received multiple requests to translate my posts for foreign readers, as they have very limited information about the happenings in Ukraine. This material describes events which took place in Kyev on January 22 and 23.

Sharing and distribution is appreciated.

22 January 2014. Battles on streets of Kiev.

I came to Kiev. I came to see for myself what is happening here. Of course, an hour after arriving at Maidan, you begin to understand that everything what you've read in dozens of articles, saw in TV news reports is total crap. In the upcoming reports I will try to, as objectively as possible, to sort out this new wave of Kiev revolution.








www.paradigmresearchgroup.org
Janeiro 16, 2014

Deixem a desinformação começar


Translate

Ancient Knowledge

HERE WE ARE ONCE AGAIN ...





The Book of Enoch

Einstein

Português
Falado em Portugês Biografia - Albert Einstein nasceu na região alemã de Württemberg, na cidade de Ulm, numa família judaica. Em 1852, o avô materno de Einstein, Julius Koch, estabelece-se como comerciante de cereais em Bad Cannstatt, nos arredores de Estugarda. Os pais de Einstein, Hermann Einstein e Pauline Koch, casaram-se em 8 de agosto de 1876. Hermann, que era comerciante, muda-se de Bad Buchau para a cidade de Ulm, onde passou a viver com a esposa. É em Ulm que nasce Albert Einstein, em 14 de março de 1879.

Rainbow of Love and Gratitude

Thank You to All

BOB DEAN'S INTERVIEW - AUDIO + TRANSCRIPT CLICK IMAGE CLICK IMAGE

BOB DEAN'S INTERVIEW - AUDIO + TRANSCRIPT CLICK IMAGE CLICK IMAGE
BOB DEAN'S INTERVIEW - AUDIO + TRANSCRIPT CLICK IMAGE CLICK IMAGE

Steve Bassett Interview