fol





Be of GREAT HEART our dear friends.

SO VERY MUCH HAS CHANGED …

SO VERY MUCH IS CHANGING …

SO VERY MUCH WILL CHANGE …

For it is written in the stars.

Are you not ALL ‘Children of the stars’? Did you not KNOW what you had decided and then came to Earth to put it into place?

The Federation o Light -- 16th August, 2014


to gain space


Labels

Saturday, November 9, 2013

Português . Incidente no Fort Benning


Logo Exopolitics Portugal

Feacturing Aileen Garoutte



This blog (UFOexperiences) has been created to inform the public about the UFO subject. It also contains peripheral phenomena. Created by Aileen Garoutte, previously Director of The UFO Contact Center International.




ABRIL 26, 2005

INCIDENTE NO FORT BENNING






1,300 SOLDADOS ABDUZIDOS NO FORT BENNING, GEORGIA, EUA,  EM 2 DE SETEMBRO DE 1977

UFO Magazine [UK]

---- Maio/Junho de 1998 John Vasquez entrevistado por Graham Birdsall (GWB).  Graham Birdsall foi editor do 'UFO Magazine', na Grã-Bretanha.

Poucas pessoas, das centenas que estavam presentes em Laughlin, nunca tinham encontrado antes  a testemunha de UFO/OVNI que se chama John Vasquez, eu incluído. Johh não era orador nessa reunião, nem pesquisador estabelecido ou reconhecido. Tinha viajado da sua residência, na Califórnia, para procurar ajuda e conselho sobre um assunto pessoal que o preocupava muito. Um número reduzido de pesquisadores esteve presente nessa reunião privada, a quem John relatou um dos incidentes mais extraordinários que qualquer um de nós tenha encontrado ao longo dos anos.

A abdução em massa de um batalhão, sendo na totalidade cerca de 1.300 soldados e militares. No dia seguinte, John concordou amavelmente em tornar a contar, de novo, a sua história em frente a uma camera para ser incluída na secção de vídeos da revista ‘UFOs: Hard Evidence = OVNIs: Evidência Difícil”. Comecei por perguntar a John, o motivo de ter viajado várias centenas de milhas para procurar pesquisadores de UFOs ...

“O que estou a tentar fazer, é entregar relatórios e documentos que dizem respeito aos Serviços Secretos do Exército de Fort Mead, em Maryland, e também o relatório da minha investigação: cartas de todos os departamentos do Exército e da Força Aérea a respeito de UFOs, ou de um teste do ‘JA.W.S’, que é a sigla para Joint Attack Weapons Systems e, também, sobre um misterioso surto de sarampo que ocorreu em Fort Benning, na Georgia”.

John começou a reviver um acontecimento, que disse que tinha chegado “como uma surpresa para todos nós.” “Apenas aconteceu, ficamos muito assustados devido a essa luz que não era habitual. Era uma formação de parada enorme. Estavam lá 1.300 pessoas.”

ONDE É QUE ACONTECEU PRECISAMENTE?

"Foi no primeiro Batalhão de Treino de Infantaria do Exército (A.I.T. = Army Infantry Training), era um grupo de infantaria, a treinar combate. Estamos a falar precisamente do dia 2 de Stembro de 1977. Sei que pode parecer realmente estranho, mas comecei a investigar o acontecimento completo em 1991. E conduzi vagarosamente a minha investigação pessoal sobre este acontecimento em Fort Benning. Tenho estado a encontrar uma grande quantidade de documentos e citações  a respeito de uma ocorrência pouco habitual em Fort Benning, pois tivemos o Secretáio do Exército, Clifford Alexander presente em Fort, Benning.

“Normalmente, deveria ter sido algum dos Chefes do Estado Maior, um general de quatro estrelas a avaliar este test JAWS. E, tenho o documento do teste de JAWS, dessa ocasião. Está escrito pela Força Aérea e tenho a carta deles.”  [Realmente vi a carta deles e está gravada no filme - GWB]

O ACONTECIMENTO

"Era uma parada nocturna. Havia 1.300 homens. Compreendia todo o staff, capitães e os XO [oficiais executivos]. Estávamos de pé, em formação, e alguém à minha frente mecionou que havia alguma coisa no céu e não pensei em nada disto porque estava precisamente a olhar para as estrelas. Então perguntei: “O que é?” O soldado à minha frente disse: “Continua a olhar.” E assim fiz e, de repente, a estrela começou a mover-se, a flutuar lentamente.” Pensei que era um satélite. O sargento, que estava atrás de mim perguntou: “ O que é que pensam que é?” Disse apenas: “Satélite”

“De repente, essa estrela parou e, depois, arrastou-se de novo; regressou e tornou a afastar-se, parou e afastou-se, regressou e continuou. Nessa ocasião, o mesmo sargento ordenou-nos para estarmos com atenção e não podíamos mexer-nos, de maneira nenhuma. Mas eu dei uma espreitadela para ver onde a coisa ia, e tinha desaparecido.

“E é quando o capitão, o nosso capitão da Companhia Delta, 1º Batalhão, 1ª Infantaria, estava a sair do edifício para fazer uma comunicação. E essa comunicação era para informar-nos sobre um curso de treino de 6 a 8 semanas. Precisamente quando ia a caminhar para o pódium, para fazer a palestra, escutei um tropel e inclinei-me para trás e olhei para a minha esquerda. Vi essa luz brilhante, uma luz intensamente brilhante. Pensei que fosse um jeep, um camião ou algo semelhante. E estava a movimentar-se, muito devagar.

O SONO

“Vi alguns homens da Companhia de Charlie a correr para fora da formação e outros mantiveram-se quietos. Por isso tive necessidade de observar com mais atenção. Inclinei-me para a frente. Quando me inclinei para a frente vi que essa luz brilhante estava realmente muito perto e deslocava-se por entre as linhas das árvores. E ainda pensava que era um camião, mas a luz era realmente, verdadeiramente muito intensa. Quero dizer que era uma luz branca, muito brilhante e tinha um contorno azulado.

“Olhei para isso e pensei – “Não sei o que é.” Bem, o soldado que estava à minha frente, eu queria dizer-lhe uma coisa, perguntar-lhe o que era aquilo, mas quando olhei para ele, estava adormecido. A cabeça estava inclinada, os olhos fechados, estava a dormir. Tornei a inclinar-me para trás, não sei o que aconteceu aqui porque fiquei sem consciência durante alguns minutos.

“Quando voltei, estava a olhar para baixo e não podia mexer-me. Não podia mexer os pés. Tentei desesperadamente mexer-me de onde estava.  O que fiz a seguir, podia mexer a parte superior do corpo, por isso virei-me para a direita, e vi alguns homens a correr para a linha das árvores, e outros mergulhavam sob os edíficios de dois andares, tal como vê na foto  [esquerda].

"O meu amigo Alan... a correr, estavam todos a correr. Então gritei pelo Alan para voltar a trás e ajudar-me porque não podia mexer-me. Ele veio, puxou-me fisicamente de onde eu estava em pé, puxou-me fisicamente. Puxou o meu braço e como que “saltei” de onde estava.

“Ele dizia: ‘Abriga-te! Abriga-te! e perguntei-lhe: “O que é que está a acontecer? Sabes? Está a acontecer alguma coisa e está a acontecer muito rápido.” Disse a Alan, “Quero ver o capitão”, então ele correu para onde estava o capitão, que estava de pé, por trás do podium. Estava adormecido. Com a cabeça inclinada e não se mexia.

"Então gritei, gritei muito alto, “Acorde!” Quero dizer, gritei tão alto que pensei que todos podiam acordar. Mas havia ainda muitos soldados de pé, em formação, e estavam imóveis. O capitão não acordou.

'ABRIGUEM-SE!"

"Então, nessa ocasião, Alan voltou-se e enfrentou essa coisa, esda luz. E a sua cara estava realmente muito pálida. Quero dizer, como se tivesse visto um fantasma. Os olhos estavam esbugalhados e a mandíbula estava aberta e abanei-o. “Não olhes para isso! Não olhes para isso! E ele ficou fora do êxtase e disse. “O que aconteceu?” como se estivesse realmente confuso.

“Continuamos a correr, e quando começamos a correr para o primeiro edifício, para a parte debaixo, havia alguma coisa a mexer-se e não sabímos o que era. Então disse a Alan para esperar, para preparar-se, pois não sabíamos o que era. Tinhamos visto sombras a moverem-se por baixo do edifício e íamos arremessar fisicamente e com violência contra essa coisa. Bom, era um dos nossos.

“Ele estava a sair do espaço apertado e perguntava: 'O que está a acontecer?'. 'O que está a acontecer?' Dissemos, 'O capitão está adormecido! O capitão está adormecido! E penso que havia mais alguns, porque virou a cabeça e disse: “ O capitão está adormecido!'.

"Então, dissemos:  'Abriga-te, afasta-te disso!' Eu e Alan começamos a correr e o soldado rastejou para longe de nós. Chegamos ao segundo edifício e à extremidade do quartel. É um quartel de dois andares.

Eu e Alan começamos a correr novamente e o soldado arrastou-se para longe de nós. Viemos para este segundo edifício e na extremidade do quartel, é um quartel de dois andares. Ouvimos alguns soldados debaixo dele, e estavam a chamar nossos sobrenomes, então corremos para lá.

Nós seguimos, com  um aspecto zangado e começamos a discutir sobre o que estava a acontecer. Não poderíamos acreditar que as coisas estavam a acontecer assim tão rápido, mas foi a nossa reacção, de uma forma hostil, porque quando algo assim acontece, vocês sabem, quando as pessoas se emocionam com o que acontece ...

"MÃEZINHA!"

"Então vimos o Sargento Santini sair do primeiro prédio que Alan e eu tinhamos acabado de atravessar. E essa bola de luz branca, de 50 pés = 15, 24 mts, que estávamos atrntar fazer descer. Parecia do tamanho de um melão, um melão pequeno.  Mas era uma luz branca brilhante e não era um batedor/pisteiro porque eu sei,  vi batedores antes,  disparei a minha M16 e sei como parecem os batedores.

"Mas não era um batedor. Parece que veio do segundo andar e parou à altura do Sargento Santini. E o sargento Santini com cerca de 1,82 mts, agitava os braços para cima e para baixo, gritanto sobre o que estava  a acontecer, a dizer-nos para nos refugiarmos e a amaldiçoar o céu, porque algo estava a descer.

"Começou a correr e desapareceu no segundo edifício.

E essa luz brilhante desceu até à altura dele e fechou-se – então desapareceu. E a próxima coisa que ouvimos foi um "estrondo" e um ‘baque’

"E um de nós, Hackett, arrastou-se até ao outro lado para ver onde estava o sargento. Santini estava "imóvel", no chão. Não se mexeu. Aparentemente, ele fora abalroado ou algo assim. Alguma coisa tinha-o atingido.

"Quando Hackett voltou, foi quando começamos a ouvir gritos. Da Companhia Alfa, todo o caminho até à Bravo, e em seguida, a Companhia Charlie e a Delta. Quando chegou à Companhia Delta, ouvimos alguém da formação a gritar.

"'Mãezinha!', Um grito estridente  que terminou como um grunhido. Ainda consigo ouví-lo quando falo nisto, quero dizer, quando ouvimos alguém gritar dessa maneira, sabem que qualquer coisa está mal.

"E disse ao Jones, que estava sentado perto de mim, disse que podíamos ir lá. Mas ele voltou-se e disse, ‘Não, já estão mortos, esquece.’

"ESTÁ A VIR NA NOSSA DIRECÇÃO!"

"Começamos a discutir novamente sobre isto,  começamos a discutir o M16 e onde a ‘estavam’ as munições. Estávamos começar a usar algumas das nossas táticas de defesa."

"Para se defenderem?

"Sim.  E disse a Alan, que fosse o que fosse que acontecesse, devia tentar chegar ao Posto Principal e obter alguma ajuda. Eu ia ficar para trás com Jones e Hackett.

“Bom, durante essa discussão, perguntamos a um dos soldados a rastejar, o que é que ia fazer lá fora. Ele disse: “São as luzes”. Olhamos uns para os outros como a dizer: “Luzes? Que espécie de luzes? Luzes estranhas, ou quê?

A luz era muito intensa. Quero dizer, todo o lugar estava iluminado, como se fosse dia. E as janelas, nos prédios dos quartéis, estas velhas janelas e a moldura e tudo no edifício,  estava tudo salientado. A luz salientava tudo, era estranho, era muito estranho.

"Movemo-nos lentamente, através do segundo andar, andando à volta, e podíamos ver os soldados em frente a nós, debaixo do edifício e começamos a bater no chão e a chamar os nomes deles, a chamá-los para se afastarem dessa coisa, mas eles não se moviam.

“Por isso, mantivemo-nos a andar à volta e nessa ocasião, essa luz brilhante chegou da ponta da esquina, olhei para ela, e “fixei-me” nisso. E não sei o que era, mas era  como olhar para essas luzes de busca, precisamente para dentro delas. E penso que estava hipnotizado por estar a observá-las e Alan estava a agarrar o meu braço e a gritar: “O que é, Vasquez?” Respondi: “Não sei, mas está a vir ao nosso encontro.”

Então Vasquez descreveu que começou a escutar uma ‘voz’ dentro da sua cabeça. Olhou para o chão e viu um animal pequeno e assustdo, que ele chamou de ‘possum’. Disse que ouviu o animal perguntar, ‘O que é isto?’, e ele respondeu: ‘Não sei.’ Os seus colegas espantados, olharam para ele, viram o animal afastar-se e perguntaram: ‘Com quem estavas a falar, Vasquez?’ Ele contou-lhes o que acontecera.
"Hackett, ele é um nativo” e disse-me: ‘Tu sabes, falas com a Natureza.’

"SAIAM"

"Não sei, mas tudo o que estava a acontecer era estranho. E essa luz brilhante, era tão forte que, por baixo do edíficio, podia ver-se a canalização, as placas, podia ver-se tudo. O lugar estava completamente iluminado. Estavam todos com medo, e eu também. Honestamente, você sabe, tinhamos medo dessa luz, como crianças a esconder-se num canto.

“Nesta ocasião escutei essa voz, que parecia um eco longínquo e metálico, e que me dizia: ‘Está tudo OK. Não tenham medo. ‘Saiam’. Bem, não sabia quem tinha dito aquilo e perguntei para os soldados que estavam em baixo: ‘Quem disse que estava bem? Quem está a dizer que está tudo OK?’ E todos eles olharam para mim, como se perguntassem: ‘Onde é que estás a ouvir isso, Vasquez?’

Vasquez disse aos amigos que continuava a escutar uma voz a dizer-lhe que estava tudo bem, que podiam sair.  Rastejaram para longe dele, porque não tinham escutado o que ele dizia. Ele disse-lhes para dirigirem-se para o centro do edifício, para longe da luz, e que tencionava sair e ver o que estava a acontecer. Vasquez rastejou debaixo do edifício e dirigiu-se para uma moita de erva.

“Levantei-me e olhei para a esquerda, e essa luz intensa e brilhante estava sentada à minha frente. Vi uma figura sombreada, uma figura pequena, fugir para a luz.

---------------------
"Foi-me dito para manter os olhos sempre fechados e o que aconteceu a seguir, foi ouvir essa voz feminina perguntar, ‘Recordaste?’

----------------------

"Não sabia o que era, mas quando ergui a minha mão esquerda para proteger-me da intensidade da luz, algo bateu no meu ombro esquerdo, e soou como uma espingarda a ser disparada. Baixei-me, procurei o meu amigo com a mão. Hackett, e ele a gritar pelo meu nome, e estava quase a alcançá-lo, mas algo bateu-me nas costas e fiquei inconsciente.

RECORDAÇÕES

“O que recordo a partir daí é que alguém dizia-me para manter os olhos fechados. E senti que havia uma pessoa à minha esquerda, e outra à minha direita. Havia uma cobertura sobre mim e estava a ser erguido. O meu corpo todo sentiu uma sensação de formigueiro, um verdadeiro formigueiro, o que aconteceu a seguir, foi um movimento rápido de duas pessoas, a surgir da minha esquerda, a voltarem-se em simultâneo e afastarem-se de mim, muito rapidamente.

“Foi-me dito para manter os olhos fechados o tempo todo e a próxima coisa que ouvi, foi uma voz feminina perguntar: ‘Recordas-te? ‘Perguntei: ‘Recordo o quê?’ E não disse uma palavra. Era tudo processado através de comunicação mental.

E quando ela escutou-me a dizer: ‘Recordo o quê?’senti uma grande preocupação atingí-la. Uma preocupação profunda, como se houvesse algo errado. A seguir, veio o exame médico e depois estava a olhar para a parede e na parede havia uma insígnia de qualquer tipo, uma meia lua e uma espécie de zig-zag.

Vasquez puxou para fora, um fio do pesçoco, debaixo do colarinho da camisa. Tinha o mesmo desenho que ele tinha  reproduzido de memória e que usava sempre.

VISÕES

E quando  virei a cabeça, vi filas de homens deitados numa laje. Na quinta ou sexta mesa, havia duas coisas que estavam atrás de mim, e numa fracção de segundo, ela apenas disse, 'Tens de dormir', e adormeci. A seguir o que me lembro, esse homem, tenho que dizer que era um homem porque senti que era um macho, exigiu que me mantivesse a olhar para os seus olhos. Eu não queria. Só não queria olhar para ele, porque me assustava.

"Ele disse: 'Não há nada a temer ...", ou algo parecido. "Não tenhas medo." E continuou a exigir que olhasse para os olhos dele. E eu disse: "Só se for para ajudar. "e ele disse: 'Isto vai ajudar." olhei para os seus olhos e havia três imagens. Uma era eu mesmo, de pé num oceano, o céu azul, e estava parado e sozinho,  num oceano.

"O outro estava a ver uma foto da totalidade da Terra a ser destruída, desfazendo-se, pouco a pouco. E a outra era uma imagem de um rosto humano, um rosto branco pálido, com as pupilas  como o mercúrio líquido. E foi tudo o que vi. Vi esse fulano, de novo. Fiquei inconsciente. A próxima coisa que me lembro é que todos estávamos de volta à formação, todos nós.

AUTO-EXAME

Estavamos todos de volta à formação em linha, mas recordo que Alan e eu, estávamos de pé, na segunda linha, mas retrocedemos para a quarta linha. Estávamos todos desorientados. Era como... Como se tivessemos bebido 50 galões de cerveja porque balançávamos para trás e para a frente. E o Alan também estava assim, bem como todos os outros.

“Fizemos o que nos pediam. Penso que o nosso próprio exame pessoal. ‘Como é que estávamos?’ Alguns estavam muito desorientados, não sabiam o que estava a acontecer. Olhei e vi o Sargento Turner, que estava de pé em uniforme de verão, vestido para a parada. Tinha todas as medalhas, e pensei que tinha derrramado café nas calças, mas era visível que tinha tido um “acidente”. Praguejou e afastou-se.

"O Sargento Newkirk disse-nos para voltarmos aos nossos quarteis, e eu  perguntava a mim mesmo: 'Ei,  ainda não tívemos o discurso do capitão. Que aconteceu  ao discurso?" Bem, nunca tivemos o discurso e começamos a andar para trás, e alguns começaram a cair. Perdemos o equilíbrio e também caí, porque estava tudo a girar, e isso não era habitual. E quando me levantei, comecei a afastar-me.

"Algumas pessoas, alguns soldados que tinham estado em formação, começaram a ficar doentes, começaram a vomitar, a cair, pois perdemos todo o controlo do equilíbrio. Quando vim para o primeiro prédio, parei e olhei para o meu relógio. e o meu relógio parou às 7,40. Perguntei ao Jones, que estava de pé ao meu lado, que horas tinha e ele disse que tinha 3.30. Ele perguntou a um amigo que estava perto, que disse que eram 4.45 . Todos os nossos relógios pararam.

Depois fiquei doente. Fiquei muito doente.  Não sei porquê, mas voltei para o meu quartel e havia lá soldados a agir de modo verdadeiramente estranho, como uma espécie de estado induzido por drogas ou qualquer outra coisa. Mas eles estavam realmente a agir de modo muito estranho. O Alan estava sentado na cama, a olhar para a parede, era, como se tivesse "desaparecido".

“Abri o meu cacifo, e estava prestes a tirar a minha camisa, quando notei que estava desabotoada em cima, e os botões das calças estavam abertos. Mas o engraçado é que as minhas botas, as botas de combate que usávamos, têm oito furos. Bem, estavam atadas a partir do quarto furo cruzado, no final, como uma espécie de borboleta.

"E disse para mim mesmo: ' Sei que não fui para lá assim ... sei que não fiz isto." Pois o Sargento teria dito alguma coisa, e teria sido o primeiro a gritar e a dizer: "O que está a fazer aqui fora assim, Vasquez?

"Bem, disse a mim mesmo: 'Sei que  não fiz isto', então comecei a mudar de roupa, a tirar  as minhas roupas, as minhas calças, e  encontrei uma espédie de pasta colante, à volta das minhas calças. Limpei-as e limpei-me também. Não sei o que era aquilo ".

CADEIA DE ACONTECIMENTOS

Em seguida, John Vasquez, contou-me que tinha começado a recordar mais pormenores do que havia acontecido em Fort Benning, uma década depois, em 1989.

Como a sua memória voltou lentamente, começou a pesquisar e a investigar os estranhos acontecimentos de 1991, com um pedido ao congressista Cunningham em San Diego EUA, para abrir uma investigação oficial em seu nome. O deputado escreveu ao Centro de Registos Nacionais do Exército dos EUA, em St. Louis, Missouri, solicitando o arquivo militar de John Vasquez, conhecido como '201 '.

Responderam, dizendo que  faltavam alguns documentos pertencentes à carreira militar de Vasquez, mas fundamentalmente, diziam não ter registos que Vasquez tivesse servido em Fort Benning, numa base temporária ou a tempo inteiro.

Vasquez dedicou-se imediatamente à tarefa de descobrir a verdade sobre o que ele e os seus colegas experimentaram naquele dia fatídico. Usando o seu próprio dinheiro, escreveu sozinho,  para a USAF, para o Exército dos EUA, para o Chefe do Gabinete da Assessoria de imprensa,  no Ft. Sam, em Houston,  no Texas, para o Gabinete do Presidente e Gabinete do Vice-Presidente.

Também contatou vários outros departamentos, incluindo os departamentos de Saúde e o Gabinete do Cirurgião Geral. Vasquez escreveu para este último porque, ao procurar os jornais locais da época, descobriu aquele cuja título fez surgir a página: "Surto de sarampo ataca tropas de Post"

Referia um surto de sarampo relatado em Fort Benning. Mais concretamente,  referia-se ao seu batalhão, 1 º Batalhão, da 15 ª  Infantaria.

Outros departamentos de Saúde já haviam informado, anteriormente, Vasquez para contactar o Centro Médico Walter Reid, em Washington DC, que deveria ter mais detalhes sobre o surto. Ele trocou correspondência com um Dr. Rugal. Ph.D., que, ao fazer a leitura dos relatos do jornal a esse respeito,respondeu: "É um surto fora do comum. Não há registos."

O Dr. Rugal disse a Vasquez, que a sua principal preocupação era que Walter Reid nunca tinha enviado uma equipa médica para estudar o suposto surto, algo que teriam sido automaticamente obrigados a fazer, se tivesse sido genuíno. "Teríamos de fazê-lo", escreveu o Dr. Rugal, "pois trata-se de um batalhão inteiro."

Na ocasião, outro jornal local mencionou o facto de que o Teste JAWS tinha sido efectuado em Fort Benning.

---------------------------

Para encomendar o livro na Amazon.com: Books: Incident At Fort Benning


Postado por Aileen @ 10:46 AM

No comments:

Post a Comment

p

Terra Galactica

crop circle

ET First Contact

the way we live

Could you imagine

MAN


THE ENTIRE 14:02' INTERVIEW IS AVAILABLE AT

rd


info@exopoliticsportugal.com

xmas



“Glory to God in the highest, and on Earth peace, good will toward men.”

This Christmas, Give Peace



I Decree


FOR SPIRITUAL ENLIGHMENT

PLEASE VISIT THIS SITE






esoteeric II



SUBTITLES IN ENGLISH, ESPAÑOL, PORTUGUÊS

Click upon the circle after the small square for captions

pleiades

THIAOOUBA PROPHECY - 14,15,16,17,18

P. Camelot - PORTUGUESE

terra galactica uk

TSUNAMI OF LOVE

Please click the icon YouTube and then the small square at the bottom right side to get the captions CC, and choose subtitles in UKRAINIAN

埋め込み画像 1埋め込み画像 2

Popular Posts

Be divergent

CONTACT

ashtar

arabic song












SO ... ONCE AGAIN I REITERATE ...

WE ARE ASKING YOU FOR YOUR ASSISTANCE ... WE ARE PUTTING OUT AN S.O.S. ... IN LOVE ...

TO OUR STAR BROTHERS AND SISTERS ... OUR FAMILY ... WE ASK FROM OUR HEARTS ... FROM THE CORE OF WHO WE ARE ... THAT YOU UNDERSTAND OUR SITUATION AND 'MAKE PLANS' TO ADHERE TO OUR CALL.

Blossom, 02:01:2014




richard dolan song

SEND SNOWDEN HOME

Send Snowden home

750,000
744,540

The world's greatest whistleblower is stuck in the Russian winter, facing solitary confinement, ridicule, and life in prison if US agents grab him. But this week, we could help get him to safety.

Edward Snowden exposed the mind-boggling and illegal level of surveillance the US government is conducting on, well, all of us. His welcome in Russia runs out soon, and he's got nowhere to go. But Brazilian President Dilma is angry at US surveillance and experts say she might brave massive US pressure to consider asylum for Snowden!

This is about much more than one man. If Snowden's act of truth-telling leads to crippling punishment, it sends the wrong signal to abusive governments and whistleblowers everywhere. If 1 million of us take action now, we can send President Dilma the largest citizen-supported asylum bid in history -- sign to safeguard Snowden and defend democracy everywhere.

SIGN HERE


KIEV



Revolution in Kiev, Ukraine

In the last days I received multiple requests to translate my posts for foreign readers, as they have very limited information about the happenings in Ukraine. This material describes events which took place in Kyev on January 22 and 23.

Sharing and distribution is appreciated.

22 January 2014. Battles on streets of Kiev.

I came to Kiev. I came to see for myself what is happening here. Of course, an hour after arriving at Maidan, you begin to understand that everything what you've read in dozens of articles, saw in TV news reports is total crap. In the upcoming reports I will try to, as objectively as possible, to sort out this new wave of Kiev revolution.








www.paradigmresearchgroup.org
Janeiro 16, 2014

Deixem a desinformação começar


Translate

Ancient Knowledge

HERE WE ARE ONCE AGAIN ...





The Book of Enoch

Einstein

Português
Falado em Portugês Biografia - Albert Einstein nasceu na região alemã de Württemberg, na cidade de Ulm, numa família judaica. Em 1852, o avô materno de Einstein, Julius Koch, estabelece-se como comerciante de cereais em Bad Cannstatt, nos arredores de Estugarda. Os pais de Einstein, Hermann Einstein e Pauline Koch, casaram-se em 8 de agosto de 1876. Hermann, que era comerciante, muda-se de Bad Buchau para a cidade de Ulm, onde passou a viver com a esposa. É em Ulm que nasce Albert Einstein, em 14 de março de 1879.

Rainbow of Love and Gratitude

Thank You to All

BOB DEAN'S INTERVIEW - AUDIO + TRANSCRIPT CLICK IMAGE CLICK IMAGE

BOB DEAN'S INTERVIEW - AUDIO + TRANSCRIPT CLICK IMAGE CLICK IMAGE
BOB DEAN'S INTERVIEW - AUDIO + TRANSCRIPT CLICK IMAGE CLICK IMAGE

Steve Bassett Interview